Desidratação: Causas, sintomas, tipos, infantil, em idosos, na gravidez

0
926

Diariamente, as atividades e funções naturais do nosso corpo faz com que percamos constantemente água, através do suor, urina e fezes.

Sendo assim, a reposição de água ao longo do dia torna-se extremamente necessária para reequilibrar a quantidade de líquidos no corpo, pois quando há mais água saindo do que entrando, temos a temida desidratação.

E mesmo sendo algo aparentemente fácil de resolver, “é só beber mais água”, muitas pessoas não bebem água na quantidade que deveriam ao longo do dia, o que traz consequências graves como desenvolvimento de doenças, perda de consciência e até morte.

Saiba mais sobre a desidratação em diferentes fases da vida de uma pessoa a seguir.

Desidratação

Causas para a desidratação

São algumas das causas que podem levar à perda excessiva de líquidos numa pessoa:

  1. Exercícios físicos em excesso, em que houve muita perda de água através do suor e baixa reposição de líquidos ao longo e após as atividades;
  2. Calor excessivo, pois altas temperaturas também desidratam através do suor; essa reposição deve ser feita durante a exposição ao calor, não somente depois;
  3. Sintomas de doenças como vômitos e diarreias, pois levam o corpo a perder muitos fluidos na tentativa de expelir algo descontroladamente;
  4. Sensações que alteram o apetite, como náuseas, pois quem sente tonturas e mal-estar tende a não comer bem nem beber água o suficiente durante o dia;
  5. Queimaduras e infecções na pele, que tendem a soltar fluidos e podem desidratar uma pessoa, principalmente nos casos mais graves;
  6. Consequência da diabetes, pois quando os níveis de açúcar estão altos no sangue, o corpo produz mais urina para eliminá-lo, e a pessoa pode se desidratar por tanto urinar e consumir pouca água em paralelo;
  7. Doenças que têm febre como sintoma, pois a febre aumenta a temperatura corporal e faz com que a pessoa transpire mais.

Sintomas da desidratação

Com a carência de água, o corpo começa a manifestar sintomas que podem sinalizar desidratação desde o nível mais leve ao mais grave. Os principais sintomas sentidos são:

Sede: O desejo por água aumenta na pessoa, não somente por apetite, mas como por necessidade. Nosso corpo sente quando falta água e pede por isso.

Mas a sede não é o único motivador para beber água, pois ela já representa a carência e não uma forma de evitar isso. E não é para beber somente para se satisfazer no momento, sendo necessário beber água em adicional para nos hidratarmos.

Alterações na cor ou na quantidade de urina: Nossa urina é composta por água e outras substâncias em excesso que o corpo precisa expelir. Se estamos desidratados, os rins tendem a reter água, portanto a tendência é urinar menos e a cor ficar mais forte, assim como o odor também.

Quando estamos hidratados, a urina é clarinha e quase inodora; mas quando estamos desidratados, a urina é amarela escura e geralmente tem odor forte. Nos estados mais severos, os rins param de produzir urina para conservar o máximo de água possível.

Fadiga e sono: A pessoa pode se sentir mais cansada facilmente e ter menos resistência em atividades físicas. Para evitar isso que os orientadores físicos e profissionais da saúde dizem para bebermos água também durante os exercícios.

Não somente nos exercícios, em atividades normais diárias o cansaço também é notado. Esse sintoma também traz outros sintomas como falta de concentração, fraqueza muscular e até confusão mental.

Dores de cabeça ou enxaqueca: A perda de líquidos resulta em dores de cabeça e dificuldade de concentração, mas costumam ser sintomas leves e passam logo com a ingestão normal de água potável, em cerca de meia hora.  

Alterações na beleza e saúde da pele: Boa parte da nossa pele é composta por água, cuja é responsável pela elasticidade e viscosidade. Logo, ao menor sinal de desidratação a pele já fica opaca e ressecada.

Cãibras musculares: A transpiração excessiva causa perda de eletrólitos no corpo, que é uma mistura de líquidos e sódio, os quais têm muita importância nas contrações musculares. Sendo assim, na falta, pode ser mais comum a ocorrência de cãibras.

Pressão baixa: Quando estamos desidratados, nosso volume de sangue no corpo tende a cair, e isso diminui a pressão sanguínea entre as artérias.

Também é considerado um sintoma leve, sumindo facilmente com a simples retomada de maior frequência em beber água. Se não cuidada logo, pode se transformar em quedas de pressão graves acompanhadas de sintomas mais fortes.

Batimentos cardíacos mais fortes e palpitações: Na desidratação, o coração aumenta os batimentos numa tentativa de equilibrar a falta de água no corpo.

Com menos sangue nos vasos sanguíneos, o corpo busca trabalhar mais rapidamente para entregar sangue aos órgãos e aumenta as batidas cardíacas. Já é considerado um sintoma mais grave.

Tipos de desidratação

Os tipos de desidratação variam de acordo com a perda de água em relação aos eletrólitos:

Tipo 1: Isotônica

Considerado o tipo mais comum de desidratação, principalmente nas crianças. É ligado mais a perda de água e sódio em quantidades semelhantes; perda de água por vômitos e diarreias se encaixam nesse tipo.

Tipo 2: Hipertônica

Nesse caso, a quantidade de água perdida é maior que a de sódio. Pessoas com diabetes tendem a ter esse tipo, e poucos casos pediátricos são relatados. Acontece em casos de febres prolongadas, alta quantidade de suor e até diarreias intensas.

Tipo 3: Hipotônica

Nesse caso, ocorre maior perda de sódio do que de água. Acontece muito com idosos e em pouquíssimos casos pediátricos; geralmente é relacionado a problemas renais, gastrointestinais, má nutrição e até uso de medicamentos diuréticos.

Tratamentos para a desidratação

Desidratação infantil

Crianças desidratadas demonstram pele e boca rachados, choro sem lágrimas, fraldas secas ou com urina amarela e de cheiro forte e muita irritabilidade. Para reidratar a criança ou bebê, o primeiro passo é dar mais líquidos como leite materno ou água, água de coco, soro caseiro ou outras soluções para hidratar vendidas em farmácias.

Receita de soro caseiro: Em 1 litro de água filtrada, adicione 1 colher de sopa cheia de açúcar + 1 colher de café rasa de sal. A criança deve tomar várias vezes ao dia, cerca de 2 goles por hora. Se o bebê não vomitar, aumentar a dose para 3 a 4 goles por hora.

Ideal levar a criança ao pediatra ou à emergência se no dia seguinte à uma hidratação intensa o bebê ainda permanecer desidratado ou se tiver febre.

Desidratação em idosos

Desidratação em idosos pode aumentar a chance de quedas e infecções urinárias, dentre outras doenças. Para não acontecer desidratação com pessoas idosas, o ideal é gerenciar de forma consciente a ingestão de água, pois com o avanço da idade, a pessoa tende a sentir cada vez menos sede e apetite por água, então desidratação é algo bem comum na terceira idade.

A melhor forma de tratar desidratação em idosos é evitando. Se você convive com um idoso, incentive que ele beba mais água durante o dia, mesmo sem sede; dê de pouco em pouco, nada de copos grandes e cheios até o topo de água; além da água, dê frutas como melancia, melão e laranja, sopa, gelatina e picolés de fruta.

Em casos de pioras, o ideal é levar ao pronto-socorro para alguma medida de hidratação venosa.

Desidratação na gravidez

Durante a gravidez, a mulher pode sentir sede intensa, pele seca e até tonturas, o que é sinal de desidratação. Isso ocorre porque há um “superaquecimento” nos sistema da mãe, que trabalham em dobro por ela e pelo bebê.

É necessário beber de 8 a 10 copos de água por dia, tanto pela saúde da mãe quanto pela do bebê, para evitar esse “superaquecimento”. Deve-se evitar também produtos com cafeína, pois é uma substância que aumenta a quantidade de urina e isso pode levar à desidratação.

Exercícios físicos também devem ser de nível moderado, nada em excesso, para não haver transpiração exagerada.

Avalie este post

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here