Pílula do dia seguinte – Respondemos Todas as Dúvidas Mais Comuns!

0
192

Quase toda mulher em idade fértil e que não planeja ter filhos imediatamente costuma levar muito a sério a prevenção da gravidez. Mesmo usando um dos métodos tradicionais – camisinha, adesivo, DIU – ainda é possível que acidentes aconteçam, então é comum encontrar diversas mulheres que estejam em preocupação constante em não estar grávidas, chegando a ter sintomas de gravidez totalmente psicológicos que vão de atrasos na menstruação à enjoos.

Felizmente a indústria farmacêutica, preocupada com essa questão, lançou a pílula do dia seguinte. Esse texto irá abordar seu uso e implicações, e inclusive desmistificar que a PDS não é abortiva.

O que é a Pílula do dia seguinte

pilulas-do-dia-seguinte

A pílula do dia seguinte é um contraceptivo de emergência, isto é, para ser usado após a relação sexual desprotegida. Ela deve ser tomada o quanto antes para garantir os efeitos esperados, com o tempo de limite sendo 72 horas (três dias). Esse método é vendido em caixas contendo dois comprimidos, que devem ser usados com intervalo de 12h ou tomados juntos.

Como funciona a Pílula do dia seguinte

A fórmula vendida no Brasil contém 0,75 mg de progesterona sintética, que age de diferentes meios para evitar a gravidez. O primeiro deles é impedindo que haja ovulação, modificando o ciclo menstrual desde o início. O segundo meio é impedindo a fertilização, ou seja, impedindo que o espermatozóide fecunde o óvulo. O terceiro meio é antecipando a menstruação, o que impede que um óvulo fecundado se aloje no endométrio.

Quando a Pílula do dia seguinte deve ser utilizada

pilula do dia seguinteA pílula do dia seguinte deve ser usada em casos em que haja contato da vulva/vagina com o conteúdo seminal. Isso inclui casos em que o preservativo é colocado errado, em que há esquecimento de tomar a pílula anticoncepcional por mais de dois dias, saída acidental do DIU, etc. Como sugere o nome dado ao medicamento – contraceptivo de emergência – a pílula do dia seguinte não deve jamais ser usada como contraceptivo de longo prazo. Para isso, recomenda-se uma consulta com o médico ginecologista para que indique o método mais adequado de acordo com as características e necessidades individuais.

Efeitos Colaterais da Pílula do dia seguinte

Os efeitos colaterais observados são bem parecidos com os de uma menstruação regular: náusea, dor de cabeça, dor nos seios, fadiga e cólicas menstruais, além da alteração no ciclo ovulatório. Não há registros de efeitos adversos graves.

Caso aconteça vômitos nas primeiras horas da administração do medicamento, ele deve ser tomado novamente. Só existem contra-indicações para o uso deste método por quem tem hipertensão não tratada, problemas vasculares ou ainda obesidade mórbida. Nesses casos, pode haver diminuição significativa da eficácia da pílula ou gerar algum outro problema de saúde.

Utilizar Pílula do dia seguinte Engorda?

Usada com muita frequência, a PDS gera uma completa mudança no organismo tornando imprevisíveis as reações em cada corpo. Apenas um especialista, através de uma avaliação individual, poderá dizer. Em caso do uso esporádico, como é indicado, não há ganho de peso especificamente por causa da PDS.

Pode ser usada com Álcool?

O uso de drogas junto com a pílula pode ser perigoso, pois já é sabido que os hormônios sintéticos têm um histórico de causa de trombose e acidentes vasculares cerebrais. O consumo de bebidas e cigarro pode atrapalhar até o uso de anticoncepcionais de longo prazo, como os comprimidos, o que indica que deve haver abstinência dessas substâncias.

Existe Chance da Pílula do dia seguinte Falhar ?

A chance de falha da pílula é pequena, mas tende a aumentar conforme o tempo em que é usada após a relação sexual; somando as chances de que haja ovulação, fertilização e implantação no útero. A probabilidade de engravidar mesmo após o uso correto da PDS é bem pequena, mas existe, assim como no caso de todas as outras medidas contraceptivas.

A PDS não é Abortiva

O aborto é proibido por lei no Brasil, o que garante que uma medicação abortiva não circulasse livremente. A ação da progesterona sintética contida na pílula é feita antes que haja desenvolvimento de um embrião, não causando nenhum mal caso a gravidez seja confirmada mais tarde. Esse é um medicamento seguro e eficaz, que não provoca má-formação fetal ou alteração no caso de sua ingestão por grávidas.

Outros Métodos de Prevenção

A pílula do dia seguinte, para cumprir seu objetivo, contém uma grande dose de hormônios. Seu uso pode abalar completamente o delicado equilíbrio hormonal que define o funcionamento dos ovários, tornando a menstruação irregular e perdendo a efetividade quando usada sem seguir exatamente o indicado na bula. Por isso, a PDS é um método contraceptivo que deve ser usado apenas em casos de emergência. Para ainda assegurar a relação sexual que não gere filhos, também se pode optar por:

DIU (Dispositivo Intra-Uterino) – Colocado pelo ginecologista, o DIU é um objeto em formato de T que é inserido no útero por meio do canal vaginal. Feito geralmente de cobre, ele dura até 10 anos e tem grande eficácia contra a gravidez indesejada. Também pode ser usado como contraceptivo de emergência.

Diafragma – Pouco popular, o diafragma trata-se de um pequeno artefato de silicone, côncavo em um dos lados, que serve para proteger a entrada do útero. Seu uso deve ser feito em parceria com o espermicida. Após o uso, pode ser lavado e utilizado novamente.

Camisinha “Feminina” – A camisinha feminina é um invólucro plástico, ligado por dois anéis. Um deles, flexível, é inserido na vagina para que se encoste ao colo do útero, enquanto o anel rígido fica para fora, cobrindo a vulva.

Implante Hormonal – Também inserido pelo médico ginecologista, o implante hormonal é um pequeno tubo plástico contendo progesterona sintética que é colocado na parte interior do braço. É um dos métodos mais seguros atualmente.

É importantíssimo lembrar que apenas o uso da camisinha convencional e a feminina garantem que não haja transmissão de infecções sexualmente transmissíveis como a Tricomoníase, as Hepatites Virais e a Doença Inflamatória Pélvica.

Todos os outros métodos devem ser acompanhados por testes regulares para confirmação de doenças sexuais. Mesmo que seja entre parceiros juntos há muito tempo, pois esses vírus ficam dormentes por muito tempo. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here